CGEE debate inovações energéticas sustentáveis no Brasil

Published on
March 29, 2021

Inovações energéticas sustentáveis foi o tema das oficinas realizadas pelo Centro de Gestão e Estudos Estratégicos (CGEE) nesta semana. O debate sobre os Indicadores de Inovação em Energia teve como objetivo avaliar a necessidade de novas métricas e alternativas metodológicas na construção e seleção de indicadores de inovação em energia, assim como discutir boas práticas na coleta e no tratamento de dados que permitam o seu monitoramento contínuo.

A programação aconteceu no âmbito do projeto Plataforma de Inovação em Energia (Energy Innovation Platform, EIP), parte do Programa de Energia para o Brasil (Brazil Energy Programme, BEP) do Fundo de Prosperidade do Reino Unido. A Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e a Agência Internacional de Energia (IEA) são parceiros do projeto.

O objetivo da EIP é desenvolver métodos e ferramentas visando fornecer evidências sobre lacunas e oportunidades em inovação para acelerar a transição energética sustentável no Brasil.

As oficinas reuniram cinquenta representantes de instituições diferentes: o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), o Grupo de Estudos do Setor Elétrico - Universidade Federal do Rio de Janeiro (Gesel/UFRJ), a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii), a Agência Nacional do Petróleo (ANP), o Ministério de Minas e Energia (MME), a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), entre outras instituições do setor de energia e inovação.

O projeto dá continuidade à iniciativa Energy Big Push (EBP), na qual foram articuladas instituições em nível internacional, regional e nacional, fomentando o intercâmbio de informações e experiências e a construção colaborativa de conhecimentos visando um Grande Impulso Energético no Brasil. O EIP amplia o estudo para uma abordagem de sistemas tecnológicos de inovação, muito utilizada por diversos grupos europeus com a proposta de analisar os processos de transição para energias renováveis, se apoiando no conceito de funções do sistema de inovação.

"Para tanto, dados de inovação em energia organizados, unificados e disponíveis em um ambiente só, de fácil e intuitivo acesso, representam valiosos insumos para gestores públicos, investidores e pesquisadores, auxiliando na formulação de políticas públicas, novos investimentos e pesquisas no âmbito da energia", afirma a assessora técnica do CGEE, Bárbara Bressan.

Durante as oficinas, foram discutidas as dimensões de CT&I e os seus indicadores, assim como as alternativas metodológicas e boas práticas na coleta para o tratamento de dados e monitoramento de indicadores. Na ocasião, foram mapeados interesses e objetivos comuns dos participantes que servirão de insumos para a consolidação do estudo sobre indicadores de inovação.

Para a líder do Programa de Energia do Fundo de Prosperidade, Clarissa Vargas, ter acesso a informações e uma plataforma confiável promove mais segurança para investimentos futuros e fortalece práticas que podem ser discutidas, replicadas e aprimoradas. "Muitas vezes a falta de informação sobre o que já foi feito no setor pode dificultar novos projetos. Com a plataforma, poderemos ter um olhar mais holístico sobre o que vem sendo realizado, quais as tecnologias mais utilizadas no setor, onde tem mais projetos inovadores e de forma mais consistente. Isso permitirá tomadas de decisões mais seguras e, consequentemente, facilitar a alavancagem para a transição energética", diz.  

No âmbito do projeto, será desenvolvida uma plataforma digital com a base de dados do EBP, na qual será possível analisar a necessidade de novos indicadores para aprimorar a capacidade de aferir a dinâmica de inovação em energia no Brasil. Durante a oficina, foram  identificadas as necessidades de informação das partes interessadas (governo, setor privado e sociedade civil), e os principais desafios relacionados à coleta e ao tratamento de dados para o monitoramento contínuo de indicadores e o delineamento de um plano de ação para abordar alguns deles.  

Texto originalmente publicado em: https://www.cgee.org.br/-/cgee-debate-inovacoes-energeticas-sustentaveis-no-brasil